Opinião


Entendemos que bens culturais não são apenas direitos identitários, mas bens comercializáveis e produzidos, geram emprego, renda, são suscetíveis a avanços tecnológicos e requerem investimentos e infraestrutura. Desta forma, devemos priorizar o que é estratégico, de modo que as políticas na área fomentem um setor cultural forte, competitivo e altivo.


Equipe

Thiago Gardin
Coordenador
Márcio Becker
Consultor